Desempenho do setor eletroeletrônico em 2018 e projeções para 2019

Desempenho do setor eletroeletrônico em 2018 e projeções para 2019

04 Jan 2019

Os Indicadores de Desempenho internos aplicados em empresas de todos os segmentos permitem acompanhar e avaliar continuamente a posição e a evolução de determinadas atividades, fazendo deles importantes ferramentas de gestão e auxilio no aprimoramento dos processos internos.

Estes mesmos indicadores podem ser vistos em cenários mais amplos, como o Mercado Econômico. Assim como os indicadores internos corporativos, os Indicadores de Econômicos auxiliam na gestão empresarial, fornecendo dados que fundamentam e dão suporte às tomadas de decisão necessárias no dia a dia dos negócios. Por revelar a situação macroeconômica e apontar tendências, entender e acompanhar esses dados pode ser um grande diferencial na hora de montar um planejamento estratégico efetivo que irá determinar novos rumos no negócio.

Atenta a isso, a Altus acompanha o comportamento do setor no qual está inserida periodicamente através dos levantamentos realizados e disponibilizados pela Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica). 

Confira abaixo a síntese dos últimos dados levantados pela instituição que demonstram o comportamento do setor em 2018 e a projeção para 2019:


Comportamento da Indústria Elétrica e Eletrônica em 2018

  • O faturamento da indústria eletroeletrônica atingiu R$ 146,1 bilhões em 2018, crescimento nominal de 7% em relação a 2017. Esse resultado representa incremento real de 2%, descontando a inflação do setor que, segundo Índice de Preços ao Produtor – IPP do IBGE, ficará em torno de 5% em 2018;


  • A produção também cresceu apenas 2%, enquanto a utilização da capacidade produtiva deve permanecer em 77%, mesmo patamar de 2017;


  • No caso do mercado internacional, as exportações somaram US$ 5,9 bilhões, apenas 1% acima das realizadas em 2017 (US$ 5,8 bilhões), desempenho insuficiente para alavancar o faturamento do setor;


  • Já as importações passaram de US$ 29,6 bilhões para US$ 32,4 bilhões. Dessa forma, a participação das importações de bens finais eletroeletrônicos no mercado interno foi passou de 25% em 2017 para 28% no último ano;


  • A perspectiva de crescimento do PIB brasileiro para 2018 estava acima de 3%, o que levou a uma expectativa de expansão de 7% para a produção da indústria eletroeletrônica. Esse percentual se mostrou muito abaixo da realidade (2%), visto que o PIB deverá aumentar apenas 1,5%;


  • O nível de emprego também apresentou resultado abaixo do esperado. No final de 2017, esperava-se uma elevação de 4.000 empregados, mas 2018 trouxe apenas 1.800 novos postos de trabalho. Com isso a indústria eletroeletrônica encerra 2018 com 236 mil trabalhadores diretos;


  • Em resumo, as áreas do setor eletroeletrônico mostraram baixas taxas de crescimento, sofrendo reflexos da falta de investimentos tanto da iniciativa privada como do setor público. O faturamento das áreas de Equipamentos Industriais, de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica, Automação Industrial, Material Elétrico de Instalação e da Indústria de Componentes Elétrico e Eletrônicos apresentaram elevações que apontam apenas para uma estabilidade em termos reais.


Impactos Negativos

  • Incertezas decorrentes das eleições presidenciais, tanto nas expectativas dos consumidores quanto na confiança dos empresários, inibiram as decisões de consumo e investimento, respectivamente;


  • A Greve dos Caminhoneiros ocorrida no mês de maio;


Impacto Positivo

  • Influência positiva dos segmentos de bens de consumo, especialmente das áreas de informática (venda de notebooks) e de utilidades domésticas (venda de televisores devido a copa do mundo de futebol), cujos acréscimos de faturamento chegaram a 14% e 10%, respectivamente.


Perspectivas para 2019

  • Conforme Boletim Focus do Banco Central, os Indicadores Econômicos de 2019 deverão ser melhores do que os de 2018, com crescimento do PIB de 2,5%, inflação em torno de 4,2% e taxa Selic iniciando o próximo ano a 6,5%, mas terminando a 8,0% ao ano;


  • Com a melhora da economia, a tendência é que o setor eletroeletrônico mostre um crescimento mais robusto em 2019. Conforme sondagem realizada com os associados da Abinee, mais de 82% das empresas estão prevendo incremento nas vendas/encomendas para o próximo ano, o que demonstra o alto grau de confiança das empresas do setor.


  • Portanto, para 2019 espera-se: 


  • Crescimento de 8% no faturamento do setor eletroeletrônico, que deverá alcançar R$157,3 bilhões;


  • Elevação de 7% na produção;


  • Aumento da mão de obra empregada no setor, chegando a 240 mil empregados;


  • Crescimento de 3% nas exportações e de 9% nas importações;


  • Incremento variando de 5% nas áreas de Material Elétricos de Instalação e Componentes Elétricos e Eletrônicos à 10% para os segmentos de Automação Industrial e Utilidades Domésticas;


  • Recuperação da Indústria de Construção Civil, o que deve impactar diretamente na área de Material Elétrico;


  • Investimentos na modernização do parque industrial do país, impactando diretamente na área de Automação Industrial;


  • Os setores ligados ao consumo também deverão corresponder ao crescimento econômico e contar com a consequente melhora dos indicadores de renda e emprego.


Fonte: Relatório Indicadores Abinee/Decon do dia 07/12/2018 – disponível em: www.abinee.org.br  


Eduardo Henrique, Consultor de Vendas

Sobre a autora

Caroline Pagani entrou para a família Altus em 2011 como estagiária administrativa da equipe de Reparo. Após, migrou para o setor de Administração de Contratos onde atuou como Auxiliar, Assistente e Analista de Contratos. Hoje, ocupa a posição de Analista Comercial na equipe de Vendas da empresa.