Conheça o MQTT, protocolo mais utilizado em aplicações IoT

Conheça o MQTT, protocolo mais utilizado em aplicações IoT

24 Out 2018

Você já deve ter consumido muitos materiais sobre a Indústria 4.0 para se informar sobre como a evolução tecnológica tem mexido com o status quo do mercado e a velocidade com que ele se movimenta. Disciplinas que antes eram apenas eletivas, como Robótica Autônoma, Manufatura Aditiva, Cloud Computing, Segurança Cibernética e Internet das Coisas (IoT), hoje, são fundamentais para rotinas de companhias dos mais variados segmentos. Para sustentar a implementação destes conceitos e toda a morfologia estrutural que eles acarretaram, novas ferramentas de apoio e recursos de integração precisaram ser criados, permitindo, assim, a interação entre os novos sistemas e dispositivos inteligentes.

Entre estes recursos estruturais criados para amparar a ascensão da nova indústria estão os protocolos de comunicação. Como você pode conferir no nosso eBook exclusivo sobre Protocolos de Comunicação, estes são um conjunto de regras e procedimentos que controlam a troca de dados entre máquinas e sistemas, um tipo de código ou ordem utilizada para garantir que as "conversas" sejam eficientes e sem perdas. Com a propagação dos conceitos embarcados na Indústria 4.0, novas linguagens baseadas em Ethernet tiveram que ser criadas para dar mais velocidade e assertividade à comunicação entre os agentes de automação, como os padrões OPC UA, Profinet e MQTT. Hoje, vamos falar sobre este último protocolo, muito utilizado na comunicação entre gateways e broker PCs nos processos de asset tracking.

Message Queuing Telemetry Transport

Desenvolvido pela IBM no final dos anos 1990 com base em TCP/IP, o MQTT (Message Queue Telemetry Transport) é um dos padrões mais utilizados para comunicação em ambientes IoT. Como seu nome sugere, ele é um protocolo de mensagens com suporte para a comunicação assíncrona entre as partes, ou seja, desacopla o emissor e o receptor da mensagem tanto no espaço quanto no tempo e, portanto, é escalável em ambientes de rede que não são confiáveis. Surgido como uma alternativa para vincular sensores em pipelines de petróleo a satélites, se tornou oficialmente um padrão aberto OASIS em 2014, quando passou a contar com suporte às linguagens de programação mais populares.

Por ter uma estrutura leve e flexível, o MQTT se tornou um dos melhores protocolos para desenvolvimento de aplicações com alto grau de conexão. Enquanto sua leveza permite que seja utilizado em hardwares de dispositivos altamente restringidos ou em redes com largura de banda limitada e alta latência, a flexibilidade encontrada no padrão possibilita suporte a diversos cenários de aplicativos para dispositivos e serviços de IoT. Estas características diferenciam o MQTT dos demais protocolos Ethernet que, por serem baseados em HTTP, apresentam importantes problemas de velocidade, confiabilidade e desempenho.

MQTT nas soluções da Altus

Hoje, o protocolo já está disponível na versão 2018 do software supervisório HMI/SCADA BluePlant e, nos próximos meses, será embarcado na plataforma de suporte do Xpress, novo CLP compacto da Série Nexto. Para utilizar o MQTT em aplicações com produtos Altus, você precisa utilizar uma ferramenta de desenvolvimento como o módulo Python Mosquitto, ele conta com um broker do MQTT que pode ser executado no computador local e ferramentas de linha de comandos que podem interagir com o broker usando mensagens. Para fazer o download gratuito da ferramenta, basta acessar o website do Mosquitto clicando aqui.