Setup utiliza CLP Altus em respiradores mecânicos para combate ao COVID-19

Setup utiliza CLP Altus em respiradores mecânicos para combate ao COVID-19

20 Abr 2021

Como já mencionamos algumas vezes aqui no Blog I&A, a Altus está engajada em diferentes projetos para produção de equipamentos que possam auxiliar no combate à pandemia de COVID-19. Uma dessas iniciativas já passou por todas as etapas de desenvolvimento e deve estar disponível no mercado nacional de tecnologia para saúde nos próximos meses. Criado pela Setup Automação e Controle de Processos, uma das empresas certificadas pelo Programa de Certificação de Integradores Altus, o projeto compreende a produção de dois modelos de ventilador pulmonar utilizando a tecnologia dos nossos produtos.

Os equipamentos estão sendo desenvolvidos por meio de um projeto apoiado pela parceria entre Finep e PIPE-FAPESP, uma iniciativa de incentivo ao desenvolvimento de produtos, serviços ou processos voltados ao combate da COVID-19. “Conseguimos desenvolver os dois protótipos e, agora, estamos em negociação com duas empresas para colocá-los no mercado. A expectativa é que o acordo com uma delas seja fechado nas próximas semanas”, afirma William Robert Heinrich, um dos sócios da Setup.

Base de tecnologia Altus

Segundo Heinrich, os ventiladores poderão chegar ao mercado com custo até 25% mais baixo do que os disponíveis atualmente no país. Um dos fatores que permitiram essa redução está diretamente ligado à Altus: a diminuição da dependência de componentes importados. Os equipamentos utilizam como base tecnológica nossos CLPs IoT Ready Nexto Xpress, solução avançada de controle e automação desenvolvida e fabricada no Brasil.

Nesta aplicação, o CLP Xpress é responsável pelo controle de todos os equipamentos eletroeletrônicos e eletropneumáticos, bem como a interface de usuários, alarmes e comunicação com a IHM P2, também fornecida pela Altus. A arquitetura tem como finalidade garantir o funcionamento de todos os modos de ventilação e premissas do ventilador pulmonar.

Além do fato de ser um produto fabricado em território nacional, outros diferenciais citados por Heinrich que fizeram com que os equipamentos Altus fossem escolhidos para este projeto foram o excelente custo-benefício da família de CLPs Xpress e o atendimento rápido e eficaz de nossos times de Suporte e Assistência Técnica.

De acordo com o projeto, um dos ventiladores será voltado para emergências e outro modelo, mais robusto e com maior número de funcionalidades, para uso em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). Os dois equipamentos serão fabricados com base em uma mesma plataforma de produção. Desenvolvido pelos engenheiros da Setup, o recurso permite unificar as partes mecânica e pneumática dos equipamentos através de um software concebido pelos especialistas da própria empresa.

Outros diferenciais do projeto

Além do custo, outros diferenciais competitivos dos ventiladores que estão sendo desenvolvidos pela empresa em comparação com os existentes no mercado são o nível de ruído emitido e o peso, já que cada equipamento tem aproximadamente 16 quilos. “A solução que conseguimos dar para esse problema tornou nossos ventiladores um dos melhores no quesito emissão de ruído. Além disso, estarão entre os mais leves no mercado”, diz Heinrich.

A autonomia é outro diferencial dos ventiladores nacionais desenvolvidos pela empresa. Os equipamentos têm bateria com capacidade de carga para até seis horas de uso, o que permite sua aplicação em centros de atendimento remotos ou em áreas de emergências como os hospitais de campanha.

No caso específico do modelo voltado para as UTIs, que apresenta funcionalidades mais complexas, os ventiladores ainda poderão atender a uma antiga demanda de médicos e enfermeiros: a simplificação de procedimentos.

A conexão do paciente com um ventilador pulmonar é feita por meio de uma mangueira flexível chamada de “traqueia”. Quando uma parada cardíaca ocorre, a conexão com a “traqueia” precisa ser removida para que um intensivista conecte uma bolsa auto inflável (Ambu bag) a fim de fornecer ventilação ao paciente enquanto outro profissional performa a massagem cardíaca. Esse processo gera perda de tempo, um fator crítico em momentos como esses.

A fim de solucionar o problema, os engenheiros da Setup desenvolveram e inseriram um botão de emergência nos ventiladores que, em questão de milissegundos, aciona um modo específico de ventilação. “O botão de emergência elimina a necessidade de retirada da conexão do tubo endotraqueal para colocação da bolsa auto inflável para fornecer ventilação e de dois profissionais intensivistas para o atendimento de um paciente intubado e com parada cardíaca”, afirma Heinrich.

Condições comerciais diferenciadas para produção de respiradores

Um estudo do SUS mostra que cerca de 56% das pessoas internadas devido à COVID-19 precisam de ventilação mecânica para respirar. Este dado demonstra a importância de que estes e outros equipamentos em desenvolvimento possam, o quanto antes, reforçar o Sistema Nacional de Saúde na luta contra o coronavírus.

Se sua empresa ou entidade também está desenvolvendo algum sistema de ventilação pulmonar, fale conosco, podemos lhe ajudar. Estamos praticando condições comerciais diferenciadas em várias linhas de produtos para empresas que estão desenvolvendo sistemas de ventilação mecânica. 

Entre em contato com nossa equipe comercial para saber mais sobre como podemos auxiliar a sociedade nesse momento.